Aos 72 anos, 'pedalador' usa bicicleta como meio oficial de transporte

Neste Dia Nacional do Ciclista, conheça a história de um aposentado santista que só vê vantagens no uso da bike

19/08/2018 - 09:49 - Atualizado em 19/08/2018 - 09:49

Pesquisa mostra que falta de ciclovias está entre os problemas enfrentados pelos ciclistas (Foto: Arquivo/AT)

Com o preço do combustível nas alturas, trânsito cada vez mais caótico e necessidade de ajudar a preservar o meio ambiente - além de manter em dia a própria saúde - a bicicleta é cada vez mais adotada como opção de transporte e lazer. Para promover o uso da bike, neste domingo (19), é celebrado oficialmente, pela primeira vez, o Dia Nacional do Ciclista.

Segundo a pesquisa Perfil do Ciclista Brasileiro 2018, realizada pela ONG Transporte Ativo, 82,5% dos quase 8 mil entrevistados de todo o País pedalam cinco dias ou mais por semana. Uma dessas pessoas é o santista Jarbas Souza Campos.

Apaixonado por bicicletas, o aposentado se autointitula um pedalador. Há pelo menos 65 dos 72 anos de vida, o veículo não motorizado de duas rodas faz parte da rotina do ciclista, que está com está com a saúde em dia, segundo ele, pelas pedaladas que dá por aí.

A lembrança da primeira bicicleta que ganhou dos pais, aos 7 anos, ainda está na memória. "Lembro que foi na época que comecei a ir para escola. Era um modelo importado, se não me engano. Desde então, nunca mais parei".

Por dia, são pelo menos 20 quilômetros em cima da magrela para ir e voltar do escritório onde trabalha ajudando os filhos, que mantêm uma empresa de montagem de (acredite!) bicicletas. Ele sai da Vila Mathias e pedala até a Zona Noroeste da Cidade. "Só apelo ao carro em dias de chuva. Com a criação de ciclovias, podemos trafegar com mais segurança. Ainda precisamos de mais, mas o que tem, já ajuda bastante", relata. 

Jarbas, de 72 anos, usa a bicicleta como meio transporte e para o lazer (Foto: Arquivo Pessoal)

Engana-se quem acredita que a utilização da bike se restrinja ao trabalho. O lazer, sempre que possível, também é sobre duas rodas. "Neste ano já fiz uma romaria de bicicleta entre os municípios de Registro e Iguape, beirando o Rio Ribeira, e uma trilha pela Serra da Canastra (Minas Gerias) até onde nasce o Rio São Francisco".

Apesar da esposa apoiar as aventuras de Jarbas na bicicleta, são os filhos que tentam acompanhar o pique do ciclista sênior. "Eles pedalam um pouco menos que eu, mas o importante mesmo é pedalar. Faz bem para a saúde do corpo e da mente".

A DATA

Este é o primeiro ano em que, neste dia 19 de agosto, é celebrado oficialmente o Dia Nacional do Ciclista. A lei foi sancionada em novembro do ano passado pelo Senado, após um projeto de lei ser aprovado pela Câmara um mês antes, em outubro de 2017. A criação da data, de iniciativa do deputado Lúcio Vale (PR-PA), tem a intenção de promover a paz no trânsito, o uso da bicicleta, a cidadania e a mobilidade sustentável. O dia escolhido para comemorar é uma homenagem ao ciclista Pedro Davison, que morreu em 19 de agosto de 2006, ao ser atropelado enquanto pedalava em Brasília.

Mais sobre a pesquisa

Ainda de acordo com o levantamento da ONG Transporte Ativo, 38,4% da população entrevistada considera ''rapidez e praticidade'' os principais motivos para adotar a bicicleta como modo de locomoção. Em seguida, aparecem os benefícios à saúde (25,8%) e custo (22,1%), ou seja, a economia feita com a não utilização de transportes motorizados.

Mas a vontade de pedalar esbarra em obstáculos. O mesmo levantamento mostra que os principais problemas enfrentados pelos ciclistas são a falta de segurança no trânsito (40,8%), e de infraestrutura adequada, como ciclovias e bicicletários (37,9%). Pouco menos que a metade dos  entrevistados (47,6%) considera que o investimento em infraestrutura cicloviária os faria sair de casa mais vezes pedalando.

LEIA MAIS

<