No Rio, mulheres do MST promovem ato de vandalismo em parque gráfico da Globo

Segundo o jornal, manifestantes promoveram baderna e vandalismo nas instalações, fazendo pichações em vidraças e paredes

08/03/2018 - 14:50 - Atualizado em 08/03/2018 - 15:34

&nb

Alvo era "denunciar a atuação do jornal, que instabiliza
a política brasileira" (Foto: MST/ Reprodução)

Em ato programado para o Dia Internacional da Mulher, integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocuparam nesta quinta-feira (8) pela manhã o parque gráfico do Grupo Globo. O complexo se localiza na Rodovia Washington Luíz, em Duque de Caxias, na Baixada fluminense.

A invasão começou cedo. De acordo com informações do MST, cerca de 800 mulheres chegaram ao local por volta de 5h30. O objetivo da ação é denunciar a atuação que julgam ser decisiva da empresa sobre a instabilidade política brasileira.

Além das integrantes do MST, participaram também mulheres do Levante Popular da Juventude, do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA). Em cartazes e palavras de ordem, também houve críticas à intervenção militar na segurança pública do estado do Rio de Janeiro e à proposta da reforma da Previdência Social.

Em nota conjunta, a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), a Associação Nacional de Editores de Revistas (Aner) e a Associação Nacional de Jornais (ANJ) repudiaram a ocupação. De acordo com as entidades, integrantes do MST, alguns dos quais portando facões, promoveram baderna e vandalismo nas instalações, fazendo pichações em vidraças e paredes. Eles também teriam ateado fogo em pneus.

“É inadmissível que um grupo, que se diz defensor de causas sociais, ameace e ataque profissionais e meios de comunicação que cumprem a missão de informar a sociedade sobre assuntos de interesse público”, diz a nota conjunta.

E prosseguiu: “Atos criminosos como este são próprios de grupos extremistas, incapazes de conviver em ambiente democrático, e não pautarão os veículos de comunicação brasileiros”.

Veja Mais