Conexão Estados Unidos: July 4th, a Independência

Nesta edição da coluna, Fernanda Haddad fala sobre as celebrações do 4 de julho no país

11/07/2018 - 17:00 - Atualizado em 11/07/2018 - 17:20

Pessoas assistem a queima de fogos em Nova York (Foto: Kena Betancur/AFP)

Quem vem aos Estados Unidos durante o mês de julho, tem a vantagem de presenciar uma das maiores celebrações, senão a maior, do país. The 4th of July, ou, no bom Português, o 4 de julho é a festa da independência dos EUA. Na minha opinião, a data comemorativa mais legal de se passar por aqui.

Diferente do Brasil, são pouquíssimas as datas em que o país praticamente para por causa de uma uma celebração. A Independência dos EUA é um desses feriados. Quase ninguém trabalha, a não ser os funcionários de algumas lojas de conveniência e supermercados, que apostam em lucrar com as compras de última hora daqueles que não se prepararam para a festa.

Esse último 4 de julho de 2018 foi o terceiro ano que eu comemorei aqui em San Diego, visto que me mudei para cá em fevereiro de 2016. A grande expectativa da festa é para os shows de fogos que acontecem à noite. Me lembra muito a nossa comemoração de Ano Novo aí no Brasil.

Mas antes dos fogos, a festa começa cedo. Pelo menos aqui em San Diego, o americano gosta muito de aproveitar seus dias de folga fora de casa. No feriado da Independência não seria diferente. Logo pela manhã, as praias e parques já estavam lotados. 

O que eles chamam de barbecue, para a gente o churrasco, é uma tradição. Ao invés de uma picanha ou uma costela na grelha, por exemplo, o americano tem o hábito de fazer hambúrgueres e cachorros quentes. E assim eles passam o dia do feriado inteiro de 4 de julho: fazendo churrasco, bebendo cerveja e comemorando. 

Vale lembrar que o americano é, em geral, bastante patriota, então na maioria das casas aqui tem uma bandeira americana hasteada em homenagem à Independência. Quando a noite vai caindo, os lugares onde os shows de fogos acontecem vão ficando ainda mais lotados. 

Umas amigas e eu escolhemos ir para uma praia chamada Ocean Beach. Chegamos lá por volta das 7 da noite, a faixa de areia e gramado já estavam praticamente tomados por um mar de gente sentada em toalhas ou com barracas de acampamento armadas esperando os fogos.

San Diego teve mais de 10 queimas de fogos em lugares diferentes. Onde eu estava, em Ocean Beach, após o show de fogos, ou você sai da faixa de areia o mais rápido possível, ou você corre o risco de ser atacado por uma enxurrada de marshmallows em sua direção. A guerra dos doces é uma tradição.

Eu preferi sair correndo e assistir de longe, porque o tal do marshmallow, caso grude no cabelo, parece agarrar e não soltar nunca mais.

Fernanda Haddad é jornalista, natural de São Paulo, capital, e mora  nos Estados Unidos há dois anos. Ela escreve na coluna conexão quinzenalmente, às quartas-feiras. 

Veja Mais