Estúdio do jogo 'Heavy Rain' é acusado de racismo, abuso sexual e homofobia

Mais de 15 ex-funcionários relataram o quanto o clima de trabalho na produtora é tóxico

16/01/2018 - 18:13 - Atualizado em 16/01/2018 - 18:20

Segundo reportagens publicadas pelos jornais franceses Le Monde e Mediapart e pela revista Canard PC, o ambiente de trabalho no estúdio Quantic Dream, responsável por jogos como Heavy Rain, Beyond: Two Souls e o inédito Detroit: Become Human (leia mais aqui), é extremamente tóxico. Tanto que os fundadores da produtora, David Cage e Guillaume de Fondaumiere, estão sendo acusados de racismo, abuso sexual e homofobia.

As matérias mostram que os executivos fazem os funcionários trabalhar muito além do horário – algo em torno de 60 horas semanais – e não só aceitam como estimulam a existência de uma rede interna de piadas racistas e sexistas. 

De acordo com um dos mais de 15 ex-empregados entrevistados pelos meios de comunicação, montagens com fotos de funcionários costumam ser preparadas e compartilhadas por e-mail com a equipe inteira. Em algumas dessas imagens, os profissionais aparecem em posições sexuais, com dizeres machistas ou homofóbicos. Houve ainda uma fotografia em que um colaborador foi tachado de nazista.

A Quantic faz jogos cinematográficos, como Beyond: Two Souls, com Ellen Page. (Foto: Divulgação)

Além disso, segundo as reportagens, Cage geralmente não respeita as empregadas, é autoritário ao extremo e tem o hábito de fazer brincadeiras pejorativas. Alguns desses comentários envolvem, inclusive, as atrizes contratadas para os games da empresa. 

Sem falar que, certa vez, ao ver matéria na TV sobre um assalto, o executivo perguntou para um funcionário originário da Tunísia se o bandido não era “primo” dele.

Enquanto isso, Fondaumiere, de acordo com as publicações francesas, gosta de dar em cima das colaboradoras em festas e de beijá-las à força. 

Resposta

Os fundadores da Quantic Dream “negaram categoricamente” as acusações. David Cage afirmou: "Você quer falar sobre homofobia? Eu trabalho com a Ellen (Page, em Beyond: Two Souls), que luta pelos direitos LGBTs. Você quer falar sobre racismo? Eu trabalho com o Jesse Williams (em Detroit: Become Human, programado para este ano), que lutou pelos direitos civis nos Estados Unidos. Julgue-me pelo meu trabalho".

A produtora ainda divulgou uma nota oficial. No texto, ela diz que “condutas e práticas inapropriadas não têm lugar na Quantic Dream. Nós valorizamos cada pessoa que trabalha aqui. É de extrema importância que mantenhamos um ambiente seguro que nos permita canalizar a paixão por criar jogos de videogame”.

Veja Mais