Projeto dribla preconceito e goleia a exclusão social

Todos têm lugar no time do UP / Santos FC

26/07/2017 - 15:42 - Atualizado em 09/08/2017 - 18:57

O melhor do jogo é, sim, vencer. A questão é: quem você considera seu adversário? Para os alunos do Projeto Up / Santos FC, o objetivo é ganhar de goleada da exclusão social, jogando o preconceito para escanteio. O projeto escala jogadores sem e com algum tipo de deficiência para atuarem juntos desenvolvendo, além da habilidade no futebol, tolerância, respeito, companheirismo e cidadania.

As atividades tiveram início em 2008, quando a paixão pelas partidas de fim de semana do supervisor de controladoria, Mauro Sérgio de Oliveira, de 55 anos, transformou-se em vontade de ajudar. “Eu sempre gostei de futebol, mas achei que estava na hora de fazer algo diferente, algo útil. Pensei em atividades com deficientes visuais. Depois, decidi que iria trabalhar com pessoas com síndrome de Down”, conta.

No campo de society, jovens de ambos os sexos e várias idades, com ou sem deficiências, aprendem
juntos que a melhor vitória é a união

Hoje, o projeto atende jovens e adultos, de ambos os sexos, com Down, autismo e deficiências intelectuais de toda a Baixada Santista. Faz do futebol uma ferramenta para o trabalho motor e, principalmente, para a socialização deles. Para tanto, a bola rola no campo de society, na areia, no salão e, cada vez mais, os times do Projeto Up/Santos FC estão se fazendo presentes em campeonatos adaptados.

“Entrei em contato com algumas entidades e passei a oferecer aulas de futebol. A ideia sempre foi trabalhar a questão da inclusão. Por isso, unimos jogadores com e sem síndromes. O projeto não tem custo nenhum para eles. E como não temos subsídio, fazemos rifas, buscamos ajuda aqui e ali e acabamos tirando do próprio bolso”, diz Mauro.

No entanto, quando o juiz apita e as partidas têm início, ele reconhece que todos saem vencendo. “É muito gratificante. Apesar da correria, para mim, é muito bom, recebo muito carinho deles e isso não tem preço. Quando olho para minha vida, já não me vejo mais sem esse projeto”, diz o professor, sem esconder que todo o trabalho o emociona muito.

 

iniciativa têm a participação de cerca de 30 alunos na Arena Portuários

Vitórias
E o discurso de que todos vencem é replicado inúmeras vezes, principalmente, pelos familiares dos atletas. Maria José Florentino é mãe de Luiz Eduardo, o Dudu, de 37 anos. Segundo ela, o projeto é “mil maravilhas” e tem ajudado demais o filho.

“Ele se sente muito bem aqui. Hoje mesmo, ele tinha um passeio, mas desistiu para não faltar no treino. Fora que percebemos uma melhora total na vida dele”. E Dudu confirma: “eu adoro e jogo muito bem”, garante ele, fã do jogador santista Ricardo Oliveira.

Perfil
Projeto: UP / Santos FC
O que é? É uma escolinha de futebol que reúne cerca de 30 jovens de idades variadas com e sem síndromes ou deficiência intelectual. O principal objetivo é promover a inclusão, além de ajudar no desenvolvimento motor e social de todos.
Desde quando? 2008
Onde? Atualmente, na Arena Portuários
Contato: projetoupsantos@gmail.com