EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

19 de Novembro de 2018

Eduardo Silva

É Diretor de Jornalismo da TV Tribuna. Além de dirigir a afiliada da Rede Globo na Baixada Santista e no Vale do Ribeira, é comentarista esportivo da TRI FM.

Paulinho, Tite?

Meus amigos, sempre admirei o trabalho e o estilo do técnico Tite. Estudioso, trabalhador e muito ético, só via motivos para elogiar o treinador da Seleção Brasileira. Na Copa do Mundo, ele cometeu erros, a Seleção foi eliminada, e mesmo assim as críticas foram leves. Ninguém o considerou o único culpado pela eliminação do Brasil. Mas, confesso que não reconheço o mesmo treinador nas primeiras convocações depois da derrota na Rússia. Uma hora é um Tite que pensa no futuro e na Copa de 2022 chamando revelações de várias posições. Na outra, é o treinador que insiste em veteranos, que nem devem ter condições de jogar daqui a quatro anos.

A impressão é que ele teme perder o emprego na próxima Copa América que vai ser disputada no ano que vem em nosso País. Só que a gota dágua para acabar com a paciência de muita gente, inclusive a minha, foi a convocação do volante Paulinho, ex-Corinthians, para os próximos amistosos. Ninguém entendeu. E nem dá mesmo para entender. Seleção não pode ser um ação entre amigos. Não pode ser a reunião de jogadores que ajudaram um técnico em algum clube. Seleção é o encontro dos melhores de cada posição, que devem estar no auge de suas carreiras.

Não foi assim na Copa e a maioria dos jornalistas poupou Tite. Mas, agora é diferente. Não é possível começar um trabalho dessa forma equivocada. É hora de renovar, com alguns jogadores experientes sim, mas aqueles que foram bem na Copa, como Miranda e Thiago Silva, citados mais acima. Mas e o Paulinho? O último grande momento dele com a camisa da Seleção foi na Copa das Confederações de 2013, no Brasil. Se convocação é momento, o Paulinho não poderia estar na lista do Tite.

E o que dizer dos goleiros? Em 3 convocações, Tite chamou Hugo, do Flamengo, Felipe, do Grêmio, e agora Gabriel Brasão, do Cruzeiro. Gabriel é muito badalado em Minas, mas é uma convocação justa? A pergunta é procedente, porque Tite chama Brasão e ignora o goleirão Fábio, titular com 800 jogos com a camisa do Cruzeiro.

Pode isso Arnaldo? Já perguntaria o Galvão Bueno. Imagina o que passa pela cabeça do Fábio. Nunca ser chamado e ver um principiante, mesmo com qualidades, ter uma chance na Seleção. Fala sério, Tite. É preciso corrigir o rumo agora para não repetir os mesmos erros antes da Copa. Até o momento todo mundo foi paciente e respeitou suas decisões, mas agora está ficando difícil. Está na hora de voltar a ser o Tite que todo mundo aplaudia e respeitava.