EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

19 de Novembro de 2018

Eduardo Silva

É Diretor de Jornalismo da TV Tribuna. Além de dirigir a afiliada da Rede Globo na Baixada Santista e no Vale do Ribeira, é comentarista esportivo da TRI FM.

A volta do 'Mito'

Eterno ídolo do São Paulo levou a equipe cearense para a elite do futebol brasileiro

Meus amigos, o fim de semana consagrou o Fortaleza como o primeiro time da Série B confirmado para disputar a elite do futebol brasileiro no ano que vem.

E o comandante da façanha tem nome e sobrenome: Rogério Ceni. O mito fez história no São Paulo Futebol Clube. Foram 1237 jogos e 132 gols. Os números o fizeram eterno na história do tricolor paulista. E com essa história era certeza que ele continuasse prestando serviços ao clube do coração, que defendeu com tanta raça e profissionalismo. Uns apostavam que ele seria o gerente de futebol ou até presidente, mas Rogério, que sempre teve personalidade forte, topou o desafio de estrear como técnico no clube que fez história. 

Começou bem, mas nem os fãs mais dedicados o pouparam das críticas, vaias e até dos gritos de burro, em pleno Morumbi, a extensão da casa dele. O presidente Carlos Alberto de Barros e Silva, o Leco, não teve paciência e demitiu Rogério. 

Só quem não o conhecia poderia pensar que o Mito iria desistir facilmente. No primeiro momento, se recolheu, mas logo veio a surpresa. O convite para dirigir o Fortaleza, no ano do centenário, na Série B. Ele aceitou e arregaçou as mangas para mostrar o seu cartão de visita: o trabalho. Em 34 jogos, ele levou o Fortaleza a 19 vitórias e sete empates. Foram apenas oito derrotas e um comando sério e firme como só os grandes líderes sabem fazer.

Ainda falta o título mas quem acompanhou aos jogos do Fortaleza na Série B viu o amadurecimento de Rogério Ceni como técnico. Seu time é forte na marcação e rápido no ataque. Agora fica a dúvida de como o treinador vai projetar a sua carreira. Se vai ficar no Fortaleza na elite do futebol brasileiro, mesmo com orçamento de Série B, para enfrentar os times mais fortes da Série A, ou vai arriscar um voo mais alto já no próximo ano. 

É uma decisão bem difícil, porque as escolhas determinam o sucesso ou não de cada profissional. Rogério é inteligente, tem experiência, mas já viu que a carreira de técnico é bem diferente do que a de um jogador. 

Lá no Morumbi, e pelos gramados do mundo, ele fechou o gol do São Paulo, em muitos jogos difíceis foi para o ataque decidir a parada com um golaço de falta. Como treinador, ele tem que ser tão estratégico como foi nos treinamentos de bola parada. Vai ter que ver bem como seguir vencendo na carreira. Afinal, não basta trabalha e ter talento. Uma escolha equivocada, de um time desorganizado e sem planejamento, pode atrapalhar, e muito, os planos do Mito de voltar um dia ao lugar que tanto brilhou: o Morumbi. 

Posso errar, mas na minha opinião, com a força de trabalho, foco, determinação e ambição é apenas uma questão de tempo Rogério Ceni voltar a ser técnico do São Paulo Futebol Clube. Eu torço para que isso aconteça, porque estamos precisando, mais do que nunca, de novos técnicos para renovar o nosso futebol, e sem dúvida alguma, Rogério Ceni conhece muito do assunto.