O Brasil poderá ampliar a parceria com Cuba se considerar que é necessário para chegar à meta de 13 mil profissionais de medicina inscritos no Programa Mais Médicos em março de 2014, informou neste domingo, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, em evento em comemoração ao Dia Mundial de Combate à Aids, no Rio.

"Teremos 13 mil médicos pelo programa até março de 2014. Todos os municípios que pediram terão médicos. Se for preciso, vamos ampliar a parceria com Cuba para completar esse quadro", afirmou no Parque de Madureira, na zona norte da capital fluminense.

Todas as regiões do Brasil têm médicos em número abaixo do considerado ideal pelo Ministério da Saúde, disse Padilha. "Eu não considero ideal o número de médicos da região Sudeste. Ter 2 5 médicos por mil habitantes não é o ideal. É pouco, ainda. A meta é chegar a 2,8 médicos por mil habitantes, que é a mesma proporção que a Inglaterra tem hoje", afirmou.

Na sexta-feira, 29, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o Sudeste tinha, em 2011, 2,61 médicos por mil habitantes - a única região, portanto, acima do que seria recomendado pelo órgão, uma relação de 2,5 médicos por mil habitantes. O pior resultado ficou com a Região Norte, com 0 98 médicos/mil habitantes.

Para o ministro, os números só reforçam a estratégia do programa Mais Médicos. "É uma ação imediata para tentar reverter essa situação", afirmou. A terceira fase do programa, cujas inscrições iniciaram na última quinta, 29, e vão até 9 de dezembro para brasileiros e até 13 de dezembro para estrangeiros reserva grandes expectativas, segundo o ministro. Nesse período há muitos médicos se formando, e profissionais de outros países também devem demonstrar interesse, apostou.